playlist Music

domingo, 19 de novembro de 2017

CLAUDIA FRANCO – SOUL DANCE



Cada dia, alguém, em algum lugar passeia pelo jazz. Seja através de gravações, rádio ou uma atraente performance ao vivo. E muitos tomam a decisão de interpretar esta vibrante forma de arte, em qualquer forma que achem apropriada. A quantidade de jazz que está aparecendo do restante do globo deve, defensavelmente, estar em alto nível. Portugal parece não ser uma exceção a este fenômeno, como prova a vocalista Claudia Franco com seu lançamento “Soul Dance”. Ela é professora de canto em Lisboa, que estendeu seu talento para o domínio do jazz, complementado por um efetivo e talentoso grupo de músicos, Franco oferece um trabalho com standards, algumas surpresas e compôs algumas canções inéditas. 

É um rito de passagem para qualquer vocalista de jazz trabalhar seus estilos através dos catálogos de Cole Porter e Gershwin, e Franco faz um trabalho meritório em "Night and Day", "The Man I Love" e "How Long Has This Been Going On". Adiciona a esta lista "Come Sunday" de Duke Ellington, onde ela obviamente tem feito seu dever de casa, com seu fraseado e nuances sedutoras sendo marcantes. É espinhoso realizar estas canções, bem como elas vêm a ser mais ampla que a vida, mas ela investe com nenhuma trepidação, e o faz em espaço aberto.

"Dharma" e "Supposed To Be" são composições suas, e elas sugerem uma artista em missão, buscando por sua inspiração. Esperançosamente, haverá mais de futuras produções, Assim como estas canções funcionam para ela. "You're Driving Me Crazy", um ótimo número otimista, permite estender-se e aventurar-se em algum scat. Sua deliciosa abordagem na clássica canção "The Boy Next Door", apresenta sua dedicação para validar a letra, embora o inglês não seja seu primeiro idioma. Ela retorna ao seu nativo português em "É Preciso Dizer Adeus" de Jobim, uma balada melancólica onde ela está confortável e retratando de forma crível uma tristeza lânguida. 

Como a maioria das cantoras fazem, Franco curva-se pesadamente ao seu pianista. Rui Caetano, acompanhante extraordinário, que também atua como produtor, e é a força mágica por trás do projeto e sua aptidão para o piano no jazz é evidente. A seção rítmica, igualmente, atua com sólido senso de profissionalismo, como faz a seção de sopros ao incrementar as faixas selecionadas.

Esta gravação, como muitas produzidas internacionalmente, é um sinal vital que o jazz não só continua a se desenvolver, mas representa sua própria força vital, que busca estar associado com seus estímulos positivos. Agora na escolha do seu caminho, Claudia Franco louva sua paixão e perseverança por ser uma cantora de jazz, e com “Soul Dance”, ela está na sua rota.

Faixas: Night and Day; The Man I Love; Day In Day Out; The Boy Next Door; Dharma; You’re Driving Me Crazy; The Trolley Song; Supposed To Be; How Long Has This Been Going On; Come Sunday; E Preciso Dizer Adeus.

Músicos: Claudia Franco: vocal; Rui Caetano: piano; Joao Custódio: baixo; Pedro Felgar: bateria; Bruno Santos: guitarra; Ricardo Toscano: sax alto; Tomas Pimentel: trompete; Ruben Luz: trombone; Eduardo Lala: trombone; Cesar Cardoso: sax tenor; Joao Alves: baixo (3).

Fonte: James Nadal (JazzTimes)

ANIVERSARIANTES - 19/11


Bill Allred (1936) - trombonista,
Kenny Werner (1951) - pianista,
Matt Dusk (1978) - vocalista,
Stephen Riley (1975) – saxofonista,
Tommy Dorsey (1905-1956) -trombonista,líder de orquestra,
Tommy Stewart ( 1939) – trompetista, pianista,
Vincent Herring (1964) – saxofonista(na foto e vídeo) http://www.youtube.com/watch?v=U6GxmC02aOQ

sábado, 18 de novembro de 2017

LUCA NOSTRO QUINTET – ARE YOU OK? (Jando/Via Veneto Jazz)



Em qualquer tempo que o saxofonista Donny McCaslin adentra um estúdio de gravação, ele manobra para elevar os procedimentos, se ele está diante de sua própria banda ou tocando ao lado de líderes como Dave Douglas, Joel Harrison ou Enrico Pieranunzi. Embora o guitarrista Luca Nostro tenha composto e arranjado nove faixas, ele poderia, facilmente, compartilhar o prêmio de maior destaque com McCaslin, cuja entonação atraente e vigorosa no sax tenor impulsiona a banda para frente, frequentemente atraindo seus colegas para trajetórias inesperadas. A jornada de 10 minutos de “Trematoda” é impulsionada pela complexidade de   Nostro, temas intricados e linhas propulsivas espiraladas de McCaslin. Quando o guitarrista e o saxofonista entrelaçam suas linhas ao final de “I Hate”, o resultado é inebriante. Nostro reuniu uma banda fantástica, e seus membros configuram a maioria do material improvisado. O suporte do quinteto é formado por John Escreet (Fender Rhodes), Joe Sanders (baixo) e Tyshawn Sorey (bateria). Sorey—que alcançou a categoria de “artista em ascensão” como baterista na lista de Críticos da DownBeat em 2015— exibe sua versatilidade através do programa, se afirma uma batida com influência do rock em “My Dear Fears” ou balançando na margem do caos na canção hiper dinâmica “…No”. Are You OK?” é uma hora de programa que exibe cinco músicos atuando em um nível de elite, reagindo a cada outro no momento, às vezes parecendo surpreender eles mesmos apenas tanto quanto eles fazem com o ouvinte. 

      Faixas

1 Are You Ok? ... (Luca Nostro) 6:29
2 ... No (Luca Nostro) 3:18
4 My Dear Fears (Intro) 0:57
5 My Dear Fears (Luca Nostro) 7:00
6 Wane Lèn Ma Yone Bi (Luca Nostro) 5:33
7 Reverse Cone in Spite of a Square Woman (Luca Nostro) 5:51
8 I Had to Hurt You for No Reason (Luca Nostro) 7:44
9 I Hate (Luca Nostro) 10:14

Fonte: BOBBY REED (DownBeat)