playlist Music

domingo, 24 de junho de 2018

DAVE LIEBMAN – EXPANSIONS: THE PUZZLE (Whaling City Sound)


O saxofonista Dave Liebman , NEA Jazz Master , manteve sua música viva e geradora por cinco décadas com prolíficas recordações , formando grupos significativos que impulsionam a embalagem musical , desenvolvendo novas idéias dentro dos parâmetros examinados no tempo. Seu grupo atual, Expansions, permite-lhe interagir com músicos mais jovens, como mentor e forma de expor seus impulsos criativos para novas influências.  "Jovem" no jazz nem sempre significa recém-chegados— estes rapazes são instrumentistas consumados e experientes, e eles adoram explorar novas possibilidades. E o antigo baixista de Lieb, Tony Marino, não é nenhum novato. Neste segundo lançamento, seguindo “Samsara (Whaling City Sound, 2014)”, eles assumem paradoxais, incompletos materiais musicais (em vez de linhas melódicas básicas) e observam o eles podem fazer para dar vida aos vínculos incertos ou, às vezes, resolvê-los. É uma ideia que remete a J.S. Bach, é uma parte nobre da tradição do jazz, e talvez por isto o álbum seja chamado “The Puzzle” (O Quebra-Cabeça).

Este processo é exemplificado na faixa título, "The Puzzle" que inicia com uma série de  estrondosos acordes dissonantes  com uma sincopação excêntrica do pianista  Bobby Avey, uma declaração que está tecida dentro de uma série de improvisações desviantes do blues por  parte de Liebman no saxofone soprano , seguido pelo piano de Avey como um estudo de  Debussy, que se desenvolve dentro de uma improvisação humorada , que ganha em intensidade e liderado pelo saxofone alto de Matt Vashlishan com referências no bebop. Porém, a peça encerra com intervalos gigantes que constroem os efeitos tradicionais,deixando o ouvinte desconcertado.Os estilos mudam em um modelo ziguezagueante, que tem o efeito de acorde de um koan Zen: pense –mas não pense.

A única exceção para esta dinâmica é uma versão animada do standard de Tadd Dameron, "Good Bait", que é improvisada "no modo mais antigo" com refrões intercambiáveis e a pulsação rítmica tradicional. É completa alegria e aceno ao tempo que se foi , quando você poderia apenas agitar os dedos , relaxar e desfrutar do suíngue.

A faixa de encerramento, "Danse de la Fureur", é embasada sobre um movimento do Quartet for the End of Time de Olivier Messaien. Arranjado por Liebman, vem a ser uma contorcida e retorcida queda apocalíptica em uma região mais melancólica de um submundo suave. Ele segue para uma parte mais selvagem com efeitos sônicos que surpreendem e impactam o resto do álbum, parecendo, por contraste, mais suave que o resto do álbum. 

Na primeira audição, este álbum pertuba as expectativas dos ouvintes nos modos reminiscentes do "free jazz" – um enfrentamento com a estranheza da ausência de uma estrutura esperada. Porém, após um par de repetições, o sentimento agradável aparece. Isto por causa de um segredo não guardado cuidadosamente por Dave Liebman. Tão longe quanto vai o avanço das excursões, por baixo há sempre a âncora do blues e a escala pentatônica do impressionismo e o repertório norte-americano. 

Acione mais um toque de Monk, como este álbum faz, e você volta para casa na sua zona de conforto.

Faixas: Hat Trick; For J.A.; Vendetta; Good Bait; Sailing; The Puzzle; Off Flow; Continues to Ignore; Off and Off; The Thing that Wouldn’t Leave; Danse de la Fureur

Músicos: Dave Liebman: líder, saxofone soprano, wooden recorder; Matt Vashlishan: clarinete, flauta, saxofone alto, straw, EWI; Bobby Avey: piano; teclado eletrônico; Tony Marino: baixos acústico e elétrico; Alex Ritz: bateria, frame drum.

Fonte: VICTOR L. SCHERMER (AllAboutJazz)

ANIVERSARIANTES - 24/06


Frank Lowe (1943-2003) - saxofonista,
George Gruntz (1932) - pianista,
Greg Burk - 1969 (piano),
Jeff Beck (1944) – guitarrista,
Manny Albam (1922-2001) - saxofonista,
Marvin "Smitty" Smith (1961) - baterista (na foto e vídeo) http://www.youtube.com/watch?v=vfmUprxLpjk&feature=related

sábado, 23 de junho de 2018

GOGO PENGUIN – MAN MADE OBJECT (Blue Note)


O trio britânico GoGo Penguin está fazendo onda nos Estados Unidos com sua estreia na Blue Note, “Man Made Object”, causando algum falatório entre os puristas, “Música fina, mas é jazz?”. A relevância da questão depende de como você se sente sobre a categorização. Nos anos 1970, alguns ouvintes não consideravam o fusion como jazz. Quando a cantora pianista Norah Jones estava vendendo milhões de discos pela Blue Note em 2003, algumas pessoas da indústria da música recusaram-se a chamar-lhe de uma artista de jazz. GoGo Penguin—cujo album de 2014, “Gondwana”, foi indicado para o Mercury Prize—é formado pelo pianista Chris Illingworth, pelo baixista Nick Black e pelo baterista Rob Turner. O trio mistura insidiosos e acessíveis temas ao piano com o baixo ribombando e com a inspirada bateria eletrônica. O programa, aqui, se sente influenciado pela mistura de fitas e a cultura de DJ, apresentando um hipnótico refluxo sobre o arco de uma longa narrativa. A intensidade constrói-se com uma empolada faixa como “Smarra”, baixa em um número relaxado como “Gbfisysih” e então ruge de volta com a explosiva “Protest”. Com “Man Made Object”, GoGo Penguin apresentou um ábum para fãs do rock que pensam que não gostam de jazz— ou talvez um álbum de jazz para ouvintes que são resistentes ao rock. Ou ambos. Sem levar em conta que fãs do jazz e rock estarão friccionando os ombros na multidão, quando o GoGo Penguin se apresentar.

        Faixas

1 All Res (Nick Blacka / Chris Illingworth / Rob Turner) 5:15
2 Unspeakable World (Nick Blacka / Chris Illingworth / Rob Turner) 4:43
3 Branches Break (Nick Blacka / Chris Illingworth / Rob Turner) 4:22
4 Weird Cat (Nick Blacka / Chris Illingworth / Rob Turner) 5:39
5 Quiet Mind (Nick Blacka / Chris Illingworth / Rob Turner) 4:23
6 Smarra (Nick Blacka / Chris Illingworth / Rob Turner) 6:31
7 Initiate (Nick Blacka / Chris Illingworth / Rob Turner) 4:47
8 Gbfisysih (Nick Blacka / Chris Illingworth / Rob Turner) 3:21
9 Surrender to Mountain (Nick Blacka / Chris Illingworth / Rob Turner) 3:58
10 Protest (Nick Blacka / Chris Illingworth / Rob Turner) 4:44

Fonte: BOBBY REED (DownBeat)